30/01/2010:Ipatinga 3x0 Cruzeiro

sábado, 30 de janeiro de 2010

video


IPATINGA 3 X 0 CRUZEIRO
Motivo: 2ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 30/01/2010 (sábado)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Público: 6.990 pagantes
Renda: R$ 123.827,50
Gols: Thiago Mathias aos 23 min e Francismar aos 40 min do primeiro tempo. Luisinho aos 4 min do segundo tempo.
IpatingaDouglas; Marcio Alemão, Max e Thiago Mathias; Luisinho, Jaílton, Max Carrasco (Leanderson), Francismar (Reina) e Marinho Donizete; Jajá (Danilo Dias) e Amilton.
Técnico: Gerson Evaristo
Cruzeiro: Rafael; Jonathan, Thiago Heleno, Cláudio Caçapa e Magalhães (Thiago Ribeiro); Elicarlos, Fabinho, Bernardo e Gilberto; Eliandro e Guerrón (Pedro Ken).
Técnico: Adilson Batista
Cartões amarelos: Eliandro, Thiago Ribeiro e Pedro Ken (Cruzeiro); Max Carrasco, Max e Thiago Mathias (Ipatinga)
Cartão vermelho: Thiago Heleno (Cruzeiro)

Resumo

Com um time quase inteiramente reserva, em função da decisão do técnico Adilson Batista de poupar titulares para o jogo da volta contra o Real Potosí, na próxima quarta-feira, pela fase preliminar da Libertadores, o Cruzeiro foi derrotado pelo Ipatinga, por 3 a 0, neste sábado, no Mineirão. Além atuar com uma equipe alternativa, repetindo estratégia adotada ano passado, o time celeste atuou desde os 23 minutos do primeiro tempo com um jogador a menos, após a expulsão do zagueiro Thiago Heleno.
A derrota para o Ipatinga, que ganhou com facilidade, interrompeu invencibilidade de 25 jogos do time de Adilson Batista, que não perdia desde março de 2008, quando o Rio Branco havia feito 1 a 0 também em um time considerado reserva do Cruzeiro. A equipe celeste volta a campo, na próxima quarta-feira, contra o Real Potosí, pela Libertadores, e no sábado que vem, pelo Estadual, recebe o Villa Nova, no Mineirão.
Depois de estrear no Estadual, com goleada por 6 a 0 sobre o Uberlândia, no último dia 20, o Cruzeiro teve suas atenções voltadas para outros assuntos. A participação na Libertadores, com direito ao empate em 1 a 1, nos 3.960 metros de altitude de Potosí, na quarta-feira passada, em uma viagem altamente desgastante, concentrou grande parte das energias do clube celeste.
Outro assunto que chamou a atenção no Cruzeiro foi a revelação da negociação, ainda está em andamento, do atacante Kléber com o Porto. O Gladiador já recebeu até mesmo a autorização da diretoria celeste para viajar a Portugal e realizar exames médicos. Entre os dois clubes está tudo certo, o mesmo acontecendo entre Cruzeiro e o atacante argentino Ernesto Farias, envolvido na transação, faltando apenas a definição de Kléber.
O Ipatinga, por sua vez, que estreou com derrota para o Tupi, por 1 a 0, era o mandante da partida, que foi disputada no Mineirão, por causa das reformas no gramado do Ipatingão. E o time do Vale do Aço veio com o técnico interino Gérson Evaristo, mas com o reforço de Gilson Kleina, novo treinador da equipe, que fez a preleção e acompanhou o jogo de uma cabine do estádio. “Meu papel foi de dar confiança e tranquilidade aos jogadores e ao Evaristo”, destacou.
A estratégia ipatinguense foi simples: jogou fechado, explorando os contra-ataques. E o Ipatinga levava perigo ao gol adversário, com Jajá mandando bola na trave. Um pênalti marcado pelo árbitro Ricardo Marques Ribeiro, e bastante contestado pelos cruzeirenses, aos 22 min do primeiro tempo, iniciou a vitória ipatinguense. Ele deu toque de mão do zagueiro Thiago Heleno, que foi expulso. Na cobrança, Thiago Mathias fez o gol.
Com um jogador a menos e demonstrando pouco entrosamento, o Cruzeiro pouco ameaçou o gol defendido por Douglas, a não ser em cobranças de faltas pelo jovem meia Bernardo, que, no entanto, errou o alvo duas vezes. No contra-ataque, o Ipatinga encaixou um contra-ataque e, aos 40min, Francismar ampliou o placar.
Para tentar reverter a situação, Adilson Batista fez uma mudança no Cruzeiro para a volta ao segundo tempo. Ele tirou o jovem volante Magalhães, que atuava improvisado como lateral-esquerdo, e colocou o atacante Thiago Ribeiro para “arriscar”, na definição do jogador titular.
Mas foi o Ipatinga que chegou ao gol no começo da etapa final. Luizinho foi lançado, em mais um contra-ataque,, avançou e na cara de Rafael, jovem goleiro, que fez sua estreia em partidas oficiais pelo time celeste, vez o terceiro, aos 4min. Logo depois, Francismar mandou uma bola no travessão cruzeirense.
A partida era amplamente dominado pelo Ipatinga, que deixava o Cruzeiro ter a posse de bola, mas saía rapidamente em contra-ataques, levando perigo constante ao gol defendido por Rafael. O time de Adilson Batista pecava também pela falta de pontaria, já que em 65 minutos de jogo, havia finalizado 10 vezes, sem exigir uma única defesa difícil de Douglas. A primeira vez que isso aconteceu foi aos 70 minutos, em chute de Jonathan.


Para o técnico Adilson Batista, o “bom senso” indicava a transferência de data dessa partida, o que não aconteceu. “A viagem que nós fizemos, o desgaste que tivemos, os jogadores não renderam o esperado, em função disso”, afirmou o treinador, que reclamou do pênalti marcado..“Não foi pênalti, a bola bateu na barriga”, salientou.