18/04/2010: Cruzeiro 1x3 ipatinga

segunda-feira, 19 de abril de 2010



Cruzeiro 1x3 Ipatinga
Motivo: segundo jogo da semifinal do Campeonato Mineiro
Local: estádio Mineirão, em Belo Horizonte
Data: 18/04/2010 (domingo)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro-MG (Fifa)
Público: 17.396 pagantes
Renda: R$ 314.253,39
Gols: Danilo Dias, aos 15 min. e aos 20 min., Alessandro, aos 35 min., e Wellington Paulista aos 43 min. do 2º tempo
Cruzeiro: Fábio; Diego Renan, Gil, Thiago Heleno e Fernandinho (Thiago Ribeiro); Fabinho, Pedro Ken, Henrique e Bernardo (Jonathan); Roger (Gilberto) e Wellington Paulista 
Técnico: Adilson Batista
Ipatinga: Douglas; Silvio (Patrick), Max e Éber (Afonso); Luizinho, Max Carrasco, Leanderson (Matheus), Francismar e Marinho Donizete; Danilo Dias e Alessandro 
Técnico: Gilson Kleina
Cartões amarelos: Henrique, Fabinho e Pedro Ken (Cruzeiro); Eber, Marinho Donizete e Alessandro (Ipatinga)
Cartões vermelhos: Thiago Heleno (Cruzeiro); Alessandro e Max Carrasco (Ipatinga)


Repercurssão da derrota, programa Minas Esporte






Depois de empatar sem gols no jogo de ida das semifinais, no Ipatingão, o Cruzeiro precisava apenas de outro empate para disputar a final do Estadual com o arquirrival Atlético-MG, que eliminou o Democrata-GV no sábado. Porém, o Ipatinga, que precisava vencer, mostrou disposição e derrotou a equipe da capital.

Com a classificação assegurada nas oitavas de final da Libertadores, o Cruzeiro, que voltou do Chile na sexta-feira à noite depois de empatar com o Colo-Colo na quinta-feira por 1 a 1, teve de enfrentar o desgaste da viagem e só treinou no sábado à tarde.

Adilson Batista surpreendeu e escalou um time misto. O treinador deixou alguns titulares no banco, como Jonathan, Gilberto e Thiago Ribeiro, que entraram no segundo tempo. Kléber ficou no banco, mas não foi aproveitado.

Depois de um primeiro tempo polêmico, em que o Ipatinga reclamou de um gol mal anulado e de dois pênaltis não marcados, o time do Vale do Aço marcou três vezes com Danilo Dias (2) e Alessandro e decretou a derrota do Cruzeiro diante da torcida.

Durante a semana passada, a diretoria do Ipatinga solicitou à Federação Mineira de Futebol a escalação árbitro de outro estado, mas a entidade manteve arbitragem mineira. O clube do Vale do Aço pediu ainda ao Ministério Público para investigar denúncias contra a arbitragem de Minas.

O presidente celeste Zezé Perrella reclamou de declaração do mandatário do Ipatinga, Itair Machado, ex-parceiro do clube celeste, de que para ganhar de Cruzeiro e Atlético somente com árbitro de outro estado. “Isso é coisa de amador”, afirmou então o dirigente cruzeirense.

O Cruzeiro vinha de dois títulos estaduais seguidos, em 2008 e 2009, sobre o Atlético. Não foi a primeira vez que o time celeste foi surpreendido pelo Ipatinga. Em 2005, o time do Vale do Aço conquistou o Mineiro em duelo com a equipe da Toca.

O jogo

Com um time misto, o Cruzeiro encontrou dificuldade diante do Ipatinga no primeiro tempo. Depois de um duelo equilibrado, o time do Vale do Aço pressionou a equipe celeste e teve chances para sair com a vitória na etapa inicial.

O goleiro Fábio salvou o Cruzeiro em duas oportunidades. Na primeira, aos 36min, Leanderson recebeu de Luizinho e, livre na área, chutou para a defesa do arqueiro. Na segunda, aos 38min, Francismar chutou à queima-roupa, mas Fábio se jogou na frente da bola para evitar o gol. Em seguida, Luizinho cobrou falta e acertou a trave direita.
Antes disso, Alessandro marcou para o Ipatinga, mas a arbitragem assinalou impedimento no lance. As imagens da tevê mostraram que o atacante ipatinguense estava em posição legal. O time do interior reclamou bastante da atuação de trio de árbitros. “É um absurdo isso aí”, disse Alessandro.

O Ipatinga ainda reclamou de dois pênaltis. O primeiro em Alessandro, que foi derrubado pelo volante Fabinho. O outro foi numa disputa de bola entre Fábio e o atacante Danilo Dias, que invadiu a área em velocidade.

“Tudo que está acontecendo hoje aqui o Ipatinga já esperava. Nós avisamos antes. Viemos aqui já sabendo que tinha de fazer três gols para valer um. O que aconteceu no primeiro tempo foi uma falta de respeito”, reclamou o supervisor de futebol do Ipatinga, Carlos Oliveira, em entrevista a Rádio Itatiaia.

No segundo tempo, o Cruzeiro voltou com duas mudanças: deixaram o campo os meias Bernardo e Roger para a entrada de Jonathan e Gilberto. Porém, o Ipatinga retornou com mais disposição e marcou duas vezes com o inspirado Danilo Dias.

No primeiro, aos 16min, o atacante recebeu em velocidade, invadiu a área e tocou na saída do goleiro Fábio. Quatro minutos depois Danilo Dias recebeu de Donizete Marinho e chutou forte para marcar o segundo do Ipatinga.

O Cruzeiro sofreu uma baixa logo em seguida. O zagueiro Thiago Heleno fez falta em Marinho Donizete, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso.

O Ipatinga voltou a marcar aos 35mim com o atacante Alessandro, que fechou a vitória e a classificação à final do Mineiro. O jogador do Ipatinga acabou expulso na comemoração.

Um susto no final. O zagueiro Sívio sofreu um corte na cabela e ficou desacordado por alguns instantes. No entanto, o jogador foi atendido e recobrou a consciência.

Aos 45min, o árbitro marca pênalti de Max Carrasco, que é expulso de campo no lance. Wellington Paulista cobra e diminuiu para o Cruzeiro, mas já era tarde.